memoriaQuem já não esqueceu um número de telefone que acabou de discar? Ou até mesmo o que comeu de café da manhã? Onde deixou as chaves do automóvel? Colocar a culpa desses esquecimentos na memória nem sempre está correto, pois muitas vezes o problema é a falta de atenção.

Registramos as informações que captamos no nosso dia a dia e arquivamos, e para isso necessitamos de atenção. A memória é a forma como registramos essas informações.

No entanto a memoria se utiliza de cinco sentidos para captar informações.

A atenção é a habilidade de estar atento para absorvermos as informações.

O registro, assim que a informação é recebida pelo cérebro, é determinado se ela será arquivada ou não, e tudo dependerá da relevância dada a ela.

O armazenamento, caso a informação tenha sido relevante, ficará armazenado na memória de longo prazo.

A consolidação, caso o dado armazenado não seja utilizado com frequência será descartado pelo nosso cérebro.

A evocação se refere quando resgatamos uma informação voluntariamente ou não por se fazer necessária naquele momento.

A memoria pode ser de curta ou longa duração. A de curta duração é armazenada pelo nosso cérebro o tempo suficiente para que ela seja usada (minutos, horas ou dias), por exemplo: uma notícia de jornal.
A memoria de longa duração é responsável pela lembrança de fatos que aconteceram no passado, por exemplo: casamento, nascimento, uma viagem.

Em geral os problemas de memoria em pessoas jovens estão relacionados a outros problemas como os distúrbios do sono, déficit de atenção, depressão, estresse, fadiga, entre outros.

Os problemas de memoria começam a surgir após os 60 anos. Com o envelhecimento a capacidade de reposição das células nervosas (neurônios) vão diminuindo e com isso surgem os primeiros esquecimentos de fatos recentes e nomes.

Devemos ficar atentos para quando nossos familiares começarem a esquecer nomes, fisionomias, compromissos e datas. Também quando a falta de assunto passa a ser uma frequência e a manutenção de um diálogo torna-se mais difícil, ou as respostas são monossilábicas.

Dicas de como manter sua memoria saudável desde cedo:
– Ler livros, jornais e dialogar sobre o que leu;
– Argumentar com pessoas sobre fatos que estão ocorrendo na atualidade, para
forçar o cérebro a “trabalhar”mais;
– Manter uma alimentação saudável, pobre em gordura, prevenindo assim doenças vasculares;
– Praticar exercícios físicos;
– Manter um estilo de vida menos estressante;
– Manter uma boa qualidade de sono;
– Estimular as atividades cerebrais com hobbies, trabalho, leituras;
– Organizar compromissos;
– Manter intervalos entre as atividades para garantir uma melhor concentração.

Uma outra sugestão valiosa é fazer uma consulta precoce com um geriatra para que a prevenção comece, pois tudo que é diagnosticado no começo tem uma maior chance de controle.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =