unhasQual é a mulher que não gosta de ter suas unhas bonitas e bem feitas? Esmaltadas, aparadas, lixadas, ao natural…o importante é que as unhas sejam sempre bem cuidadas, pois fazem parte de nosso corpo, e podem também ser meios importantes de transmissão de algumas doenças.

Entretanto, alguns hábitos prejudicam bastante a sua saúde e de suas unhas, e queremos neste breve momento, alertá-la sobre algum deles. Vamos lá?

– Hidratação: as unhas tem uma maior tendência ao ressecamento, em especial devido o contato com algumas substâncias, como produtos químicos, acetonas e também devido à temperatura mais fria. É muito importante mantê-las sempre hidratadas, evitando desta forma o ressecamento, unhas quebradiças e até algumas complicações devido à quebra excessiva e exposição da pele. Produtos humectantes como cremes para as unhas e mãos, canetas hidratantes, óleos para as unhas são uma boa pedida e bastante satisfatórios.

– Esmaltação: o uso continuo e por tempo prolongado do esmalte pode causar alterações na coloração natural das unhas, enfraquecimento e ressecamento pela sua remoção se feita com produtos á base de acetona. Por isso, os dermatologistas alertam para o hábito do “descanso mensal” do esmalte ao menos uma vez por mês, deixando que neste período, as unhas “respirem” e fiquem algum tempo sem contato com o agente químico do esmalte.

– Retirar as cutículas: hábito essencialmente brasileiro, e não praticado nos países norte americanos e europeus, em nosso país, torna-se cada vez mais raro ver alguma mulher que não possua este costume. Cada vez que as cutículas são retiradas, abre-se uma “porta de entrada” para as bactérias e fungos, gerando desta forma uma predisposição maior a infecções por estes agentes. Doenças como micoses, infecções por bactérias no local e até hepatite B são algumas das doenças que podem ser ocasionadas por este hábito.

Nossa recomendação é NÃO RETIRAR AS CUTÍCULAS, mas apenas empurrá-las com o auxilio cuidadoso de uma espátula, e cuidar semanalmente de sua hidratação. Com o tempo, menos cutículas surgirão, pois é real a expressão de que “quanto mais se tira cutícula, mais ela cresce”.

– Acidentes com cortes da pele e da cutícula: Caso você opte pela retirada das mesmas, esteja ciente dos riscos que citamos acima e também de alguns outros cuidados extras neste momento: utilize somente materiais esterilizados em autoclave e que sejam desembalados na sua frente, ou então, leve o seu próprio kit manicure. Caso aconteça algum acidente e você seja cortada, NUNCA permita que a profissional coloque pós hemostáticos no corte ou a espátula de madeira para pressionar o sangramento e muito menos acetona ou álcool. Apenas pressione este local por cerca de 05 minutos com um algodão limpo e umedecido com água. Palitos e espátulas devem ser sempre descartáveis e de uso individual, e não devem ser utilizados para estancar o sangue, devido o risco de infecção e contaminação, em especial pelo vírus da hepatite B.

– Lixação: é recomendável manter as unhas sempre aparadas, e para isso, lixá-las, em especial no formato oval para aquelas mais quebradiças, é uma prática benéfica. Entretanto, não se deve lixar as superfícies das unhas (hábito muito comum para uma maior aderência e durabilidade do esmalte) pois isto leva ao desgaste natural das mesmas e enfraquecimento. Outra recomendação muito importante é atentar para o fato de que as lixas também ser descartáveis, pois a contaminação pelos fungos através deste instrumento pode ocorrer de uma pessoa para outra.

– Biossegurança: exija sempre, que a profissional que esteja fazendo suas unhas, utilize-se de luvas, a fim de garantir a segurança e higiene das duas partes.

Lembre-se: é possível manter as unhas sempre bem feitas e saudáveis, adotando-se hábitos simples e de segurança para sua saúde e de outras pessoas.

E então? Vamos fazer as unhas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + quinze =