s_7251São muitos os acontecimentos que englobam a famosa “pancada na cabeça”, podendo variar de: uma queda boba (da própria altura), um tropeção ou escorregão, e acabamos por bater a cabeça no chão ou até mesmo sofrer um acidente de maior complexidade, como a do nosso campeão de  fórmula 1, Michael Schumacher, em uma estação de esqui, onde colidiu com uma rocha.

Todos levam o nome de Traumatismo Craniano, pois o crânio é composto pelos ossos da nossa cabeça, que por algum motivo sofreu uma batida, uma “pancada”.

A gravidade e extensão das consequências do traumatismo craniano dependerão, primeiramente, se houve lesão do cérebro também ou somente da parte óssea e, posteriormente, do local do cérebro que foi afetado, da idade da pessoa, das condições físicas do indivíduo, entre outros fatores.

As funções cerebrais são desempenhadas por mais de uma área no nosso cérebro. Logo, dependendo da área afetada, a lesão pode ser considerada de alta complexidade , média ou baixa. Existem áreas cerebrais que, quando as funções são “perdidas”, os “vizinhos”(áreas mais próximas), aprendem a realizar essas mesmas funções em decorrência daquela lesão. Chamamos a isso:  neuroplasticidade.

Outras áreas como, por exemplo, a que controla a visão e a motricidade, são muito específicas e se forem gravemente comprometidas, terão uma perda permanente.

Para identificarmos um traumatismo craniano, seguem alguns sinais mais comuns como: perda da consciência ou desmaio, forte dor de cabeça, sangramento da cabeça vindo pelo nariz, ouvido ou boca, diminuição da força muscular, sonolência, dificuldade para falar ou articular palavras, alterações na visão e na audição, perda da memória, podendo chegar até o coma.

Cada sinal deve ser observado atentamente e sua evolução acompanhada por um  profissional médico, pois, às vezes, a evolução dos sinais é rápida.

Se uma criança ou adulto bater a cabeça e não apresentar esses sintomas, a orientação é para que se observe nas primeiras 24 horas qualquer alteração importante, principalmente as de comportamento. Caso houver, encaminhar ao pronto socorro.

Como podemos saber se a queda ou o impacto na cabeça foi sério?

Se houve qualquer um dos sinais abaixo, encaminhar imediatamente ao pronto socorro:

– Perda da consciência
– Incapacidade de mover ou sentir alguma parte do corpo. (Lembre-se de não mexer na pessoa antes do socorro especializado chegar, pois você pode piorar o quadro!)
– Incapacidade de falar ou enxergar
– Incapacidade de manter o equilíbrio quando estiver em pé
– Perda de líquido transparente (líquor) através do nariz ou boca
– Perda de sangue pelo ouvido
– Dor de cabeça muito intensa

Como costumamos dizer, peque pelo excesso. Na dúvida socorra e faça uma avaliação do quadro da vítima de traumatismo craniano, seja criança ou adulto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + 13 =