obesidadeQuando pensamos em nossas crianças, sentindo fome, nos dá aperto no coração não é mesmo?

Porém a “fome oculta” é aquela em que não há falta de alimento, ou seja, nosso filho absolutamente não estão passando fome.

A Síndrome da fome oculta se caracteriza pela falta de alguns nutrientes como vitaminas e sais minerais e não pela privação de alimentos. A criança pode até ser “comilona”, mas a quantidade de nutrientes importantes para o crescimento e desenvolvimento é insuficiente no organismo.

Falta uma alimentação equilibrada!

O hábito de comer apenas alguns tipos de alimentos, somado ao consumo irregular e sem horário definido para as refeições, são as principais causas da fome oculta em crianças e adolescentes.

Vários são os problemas que nossos filhos podem vir a apresentar:

– Alteração no sistema imune facilitando infecções;

– Atraso no crescimento e desenvolvimento;

– Problemas de memória;

– Diminuição da capacidade de concentração e/ou aprendizagem;

– Anemia (baixa dos glóbulos vermelhos);

– Alterações comportamentais e irritabilidade;

– Pele ressecada, unhas e cabelos fracos e quebradiços;

– Alterações do sono;

– Problemas de visão, entre outros.

Após está lista de problemas que a Síndrome da fome oculta pode trazer, vamos falar mais uma vez no melhor remédio, a prevenção!

Toda criança passa por uma fase de seletividade de alimentos, é normal, porém um alerta deve ser dado para que os pais fiquem atentos – Um quadro de fome oculta pode surgir a partir dos chamados “picky eaters”, ou comedores seletivos.

Um “picky eater” costuma rejeitar certos tipos ou grupos de alimentos, não comem de jeito algum! Acabam fazendo uma associação ruim de determinadas comidas ligadas aos órgãos do sentido como paladar, tato, olfato e assim sentem nojo da textura do alimento, do cheiro, enfim chegam a ter ânsia de vômito por determinados alimentos.

Os hábitos alimentares são formados desde cedo, por este motivo, cabe aos pais e aos professores da escola a função de estimular e incentivar a criança a comer um pouco de tudo, desde que as lancheiras não vão recheadas de “tranqueiras”.

O principal motivo que facilita o aparecimento da fome oculta é o hábito alimentar familiar. Quem dá o exemplo de comer alimentos saudáveis como frutas, verduras e legumes são os pais. Quando os pais não comem, não incentivam o consumo pelas crianças. A desculpa sempre é a falta de tempo. Mas não se brinca com a saúde física e mental dos filhos…

Como resolver este problemão?

– Uma alternativa para combater o problema é inserir na dieta alimentos diferentes da rotina, use a criatividade;

– Ter bons exemplos familiares – horários definidos para as refeições e lanches, lembrar que as crianças tem uma tendência a copiar seus pais, logo vejam o que estão comendo na frente deles… se viverem de dieta sem comer nada ou comendo uma folha de alface e meio tomate, os filhos acharão isso correto;

– Ofertar alimentos repetidamente, ou seja se as crianças não gostaram da cenoura crua tente da próxima vez cozida ou em forma de purê…. Não desista do alimento no primeiro obstáculo;

– Crianças seletivas devem ser educadas com paciência, estabelecendo-se limites para o horário das refeições e permitindo que estas crianças experimentem vários sabores, por este motivo é fundamental a presença dos pais nas refeições destas crianças… a tarefa não é fácil, mas vale a pena;

– Os pediatra podem lançar mão de complementos, uma fórmula equilibrada, que forneça energia, vitaminas e minerais, mas que fique claro que deve ser usada conforme o médico orientou, sem excessos e sem substituir refeições;

– Para prevenir a fome oculta, o ideal é ficar de olho no prato da criançada. Preparar uma refeição equilibrada e bem colorida chama a atenção. Criança gosta de COR;

– Cuidado com os polivitamínicos que são ministrados muitas vezes por nossa conta e risco para as crianças, pois as vitaminas em excesso também geram toxinas que fazem mal para a saúde ou podem causar hipervitaminose que não é nada legal;

– Algumas crianças com a Síndrome da fome oculta ainda sofrem de obesidade, diabetes, colesterol alto e pressão alta por conta do consumo exagerado de carboidratos, proteínas e gorduras, como salgadinhos, refrigerantes, massas e doces. ALERTA MÁXIMO!!

– Nas crianças, o nutriente que mais há carência é o ferro e onde vamos notar seus primeiros sinais é no desenvolvimento físico, no rendimento escolar e na realização de atividades do dia a dia.

É importante dizer que esta síndrome não escolhe classe social, vai da mais a menos privilegiada e que segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) 40% das crianças com menos de cinco anos sofrem da Síndrome da fome  oculta hoje no mundo, devido a uma dieta rica em carboidratos e pobre em vitaminas.

Pais atentos, crianças saudáveis !!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + 19 =