problemas-de-salud-por-el-uso-de-ropa-ajustadaQue preço as mulheres pagam com a própria saúde para ficarem bonitas e elegantes?

Nada melhor para começar do que falar do grande e lindo vilão: o salto alto. O uso constante de sapatos com salto alto vai desde uma maior propensão a inchaços nas pernas até encurtamentos musculares da panturrilha, vulgarmente conhecida como “batata da perna” e dos músculos do pé. Outro prejuízo é que, ao usar o salto alto, ocorre uma alteração no posicionamento do quadril, levando a um desalinhamento da coluna lombar.

Quais serão as consequências a longo prazo dessa má postura?

Passamos às calças apertadas. Afinal, que mulher não sonha vestir um ou dois números menores que o seu? Quem nunca, discretamente, abriu o botão ou até o zíper da sua calça quando está sentada no restaurante?

Pois é, as mulheres devem saber que além do esforço maior que elas fazem para respirar usando uma calça apertada, existem veias importantes que passam na altura da cintura e da pelve (bacia). São as veias ilíacas e veia cava e, quando elas são apertadas pela calça, fazem com que o sangue não consiga retornar diretamente para o coração. Ou seja, ele se acumula nas pernas causando inchaço, aumentando os riscos de varizes e trombose, dando a sensação de cansaço e peso nas próprias pernas.

Também após a ingestão de comida o estômago dilata e quando se usa uma calça apertada, a pressão exercida sobre a “barriga” é tão grande que pode fazer com que os ácidos do estômago refluam para o esôfago, causando azia e mal estar.

A bola da vez são as calcinhas apertadas. Parece óbvio dizer que é totalmente desconfortável, mas há quem use.A calcinha apertada por si só já causa danos à saúde e se for de tecido sintético piora bem o panorama, pois ela mantém uma umidade maior que a normal na área genital, favorecendo a proliferação de fungos e bactérias no local, podendo ocorrer infecções recorrentes e levar a um quadro bem mais complexo.

As calcinhas do tipo fio dental também devem ser usadas com cautela, primeiro devido ao atrito de alguns tipos de “tirinha” na área genital que causam assaduras e lesões e, segundo, como é um tipo de calcinha que não protege em sua totalidade as regiões genital e anal, a mulher deve trocar diariamente não só a calcinha, mas a roupa que usa, pois a mesma ficará em contato direto com a região íntima.

Os sutiãs sempre que possível devem ser deixados de lado e jamais a mulher deve dormir com ele. Abrir mão de peças justas se faz necessário, pois podem diminuir em até 60% a produção de melatonina, hormônio anticancerígeno. Os sutiãs de sustentação que estejam apertados são desaconselháveis, pois interferem na drenagem linfática natural da mulher, que ajuda a eliminar toxinas do nosso organismo.

As mulheres devem fugir dos aros metálicos de sustentação na base dos bojos dos sutiãs, devem dar preferência aos aros feitos de plástico ou, melhor ainda, usar sutiãs sem aro algum, pois com o uso prolongado deste tipo de artefato a mama pode acabar deformada ou com sérios ferimentos.

As alças dos sutiãs quando são muito finas ou estão desreguladas são extremamente prejudiciais, acabam causando sulcos (pequenas depressões) nos ombros, levando a mulher a ter sérios problemas de coluna e tensão muscular na região dos ombros.

Por último, ficaram os cabelos com elásticos, tiaras, chapéus e bonés. Tudo que for ser colocado na cabeça não deve estar apertado, pois pode comprimir a musculatura do crânio, facilitando o aparecimento de dores de cabeça.

As mulheres devem prestar atenção e fazer associações entre os episódios de dor de cabeça e os dias em que os cabelos ficaram sob pressão. Em caso positivo, será melhor deixar os cabelos livres, descobertos e soltos. A saúde íntima e a prevenção serão sempre nossas aliadas!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 5 =