imagem

O câncer de próstata é um dos primeiros tipos de câncer mais comuns nos homens. Não se sabe ao certo o que pode causá-lo, mas sabe-se que a existência de certos fatores de risco podem ocasionar a doença. Hereditariedade (pais, avós ou parentes próximos que tiveram câncer de próstata), sedentarismo, alimentação inadequada (pobre em vitaminas e rica em gorduras), raça (mais comum nos negros) e idade (acima dos 60 anos) estão entre os principais fatores.

A verdade é que, o câncer de próstata pode ser prevenido através de um diagnóstico precoce e à medida que possíveis alterações neste órgão aconteçam, podem ser implementadas diversas opções de tratamento, eficazes e adequadas para cada situação.

Porém, todos sabem que, para se realizar o diagnóstico precoce da doença e acompanhar as alterações normais relacionadas á idade, é preciso realizar os exames específicos….e aí é que ”mora o problema”….

A próstata deve ser avaliada pelo médico urologista e compreende uma série de fatores.

Dentre os exames realizados, os primeiros são a dosagem do PSA (Antígeno Prostático) – realizado pela coleta de sangue, e a avaliação física através do toque retal. Ambos revelarão a presença do antígeno no sangue (sugerindo alguma anormalidade se estiver fora dos parâmetros normais) e o aumento do órgão prostático. Ou seja, em conjunto com estes dois exames, o histórico familiar e pessoal do paciente e seus sinais e sintomas, além de outros exames posteriores, é que o médico poderá realizar um diagnóstico correto e a melhor conduta para cada caso.

O grande medo do homem nesta questão fica por conta do exame físico, realizado pelo toque retal. Fatores sociais, educacionais e culturais interferem demais na decisão – e na permissão dados pelo homem. O preconceito, o medo de sentir dor, de ser machucado, de interferir nas suas condições fisiológicas e de que algo “diferente ou errado” possa acontecer, estão entre os maiores obstáculos a serem enfrentados.

Porém, todas as pessoas – homens e mulheres – precisam deixar de lado todas estas barreiras e medos, e entender o quanto uma atitude preventiva resultará em benefícios, e na eliminação de problemas graves no futuro.

O câncer de próstata, além de ser dos mais comuns, é também um dos que mais mata e mais faz sofrer os homens aos quais acomete. Dor e dificuldade ao urinar, problemas sexuais, diminuição da qualidade e do tempo de vida, e o grande risco de metástases e do sofrimento inerente ao câncer e seu tratamento são muito piores do que o desconforto que qualquer exame pode causar.

Não pretendemos neste artigo falar sobre a doença em si ou sobre aspectos muito técnicos relacionados aos exames, mas sim conscientizar e alertar homens e mulheres sobre a importância deste exame, e o impacto que a falta de realização do mesmo pode causar em uma pessoa, família e na própria sociedade.

O preconceito ainda é a pior opção para todos os homens, e a realização do exame para se diagnosticar uma doença curável a partir dos 45 anos, sem dúvida, é uma das maiores provas de masculinidade, coragem e principalmente, bom senso e amor á sua vida e de sua família que um homem pode ter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − quatro =