gravidez-modelo-de-imagem-quadrada

A pressão alta na gravidez tem sido, ao longo dos anos, uma das principais causas de morte durante a gestação e uma das doenças mais comuns que, infelizmente, acomete milhares de mulheres.

Para que ela aconteça, a mulher não precisa ter sofrido de pressão alta antes de sua gestação, pois a pré-eclâmpsia (nome científico dado a manifestação mais comum de pressão alta na gravidez) ocorre pelo simples fato da mulher estar grávida.

É uma doença que ocorre somente na gravidez, e que também pode ter tido relação com o fato de sua mãe ou sua avó materna terem sofrido do mesmo problema. Outros fatores também podem estar associados, como: obesidade, pressão alta anterior à gravidez, cor da pele (mulheres negras tem uma maior probabilidade), dentre outros que são investigados durante o pré-natal.

A pré-eclâmpsia é perigosa por suas manifestações serem bem diferentes durante o período da gravidez.

O aparecimento de edema (inchaço) nas mãos e rosto, aumento súbito de peso, presença de proteína na urina e uma tendência maior a altos níveis pressóricos são os sinais e sintomas mais comuns. Como complicação grave de tudo isto, pode também ocorrer a crise convulsiva, que se constitui em uma emergência obstétrica, e diante desta situação, realiza-se o parto, independentemente da idade gestacional. Daí são freqüentes a prematuridade do bebê e outras complicações associadas à pressão alta durante o período intra uterino, como o baixo peso neonatal.

Porém, a boa notícia é que esta doença, embora não tenha cura durante a gravidez, pode e deve ser controlada.

Durante o pré-natal, além dos exames periódicos que seu médico irá pedir, é importantíssimo o controle da pressão arterial e da evolução do bebê. Alguns medicamentos (muitas vezes diferentes daqueles que são tomados para a pressão alta fora da gravidez) também devem ser prescritos pelo obstetra. Uma dieta balanceada e o controle emocional são bastante importantes neste período.

Estas medidas contribuem de maneira muito significativa para a ausência de complicações para a mãe e o bebê, e dentre estas, para a prevenção da eclampsia (pressão alta na gravidez e com crise convulsiva).

Daí então, deixamos mais uma vez esta dica super importante para as futuras mamães: é fundamental a realização do pré-natal!

Assim que engravidar, procure seu médico e não perca nenhuma das consultas de pré-natal, pois embora a gravidez NÃO seja uma doença, ela tem que ser acompanhada e monitorada de maneira contínua.

É também fundamental que você e sua família CURTAM este momento único e mais do que especial em suas vidas, afinal de contas, um ser pequenino e indefeso está chegando, e precisa receber a atenção, amor, carinho e cuidado de todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − cinco =