desfraldeA hora do desfralde deve ser iniciada quando a criança estiver na fase adequada para ela, independentemente de sua idade, mesmo sendo essa uma fase tão esperada – principalmente por nós mamães, que acabamos criando inúmeras expectativas e passando nossas ansiedades aos nossos filhos.

O desfralde acaba sendo um treinamento e não um condicionamento a uma nova etapa e novos hábitos na vida da criança, que vão requerer paciência, carinho e insistência.

É de suma importância para que todo esse processo ocorra respeitar o ritmo de cada criança, pois cada uma é um ser humano único – que não vem com manual de instruções!

É necessário que a criança tenha capacidade de entender o processo pelo qual irá passar, o desfralde, sem que isso cause transtornos emocionais, psicológicos e clínicos (história prévia de infecções urinárias, intestino preso, etc).

Não permita que a criança sofra pressão por parte de cuidadores (babás, “baby sitters”, avós) e, principalmente, da escola. Essa é uma decisão que deve partir dos pais.

Devemos observar nesse processo, três fases distintas para saber qual o momento de iniciar o “treinamento”.
Vamos a elas?

1a. fase – A criança consegue avisar que FEZ
Até esse momento, a criança anda, brinca normalmente com suas fraldas sujas e malcheirosas pela casa sem que isso a incomode, ou seja, se ela não tem essa consciência (de que as fraldas já estão inapropriadas para o uso), não há como querer que ela entenda que precisa exercitar o controle de não fazer “xixi” e “cocô” na calça, certo?

Algumas crianças podem até querer tirar as fraldas, quando percebem que elas estão molhadas ou sujas e isso pode já ser um sinal de que ela está preparada para a próxima fase, mas não que ela saiba controlar as suas eliminações. Se a fralda for retirada nesse momento, a chance de ocorrerem “vazamentos” é imensa e a de sucesso é muito reduzida.

2a. fase – A criança consegue avisar que ESTÁ FAZENDO
Agora a criança começa a perceber que algo diferente está acontecendo. Além de já se sentir desconfortável com a fralda cheia de “cocô” e/ou “xixi”, ela começa a ter a sensação de que ambas estão saindo de seu corpo via uretra e ânus, mas não consegue ainda conter ou reter. Em grande parte dos casos, a criança escolhe um cantinho, senta ou se agacha, olha para os pais com carinha de “tô fazendo” e começa a se incomodar quando terminou, quase exigindo ser limpa, ou então fica com vergonha e começa a chorar.

A real tentativa começa aqui! Mas para que essa atitude tenha sucesso, será necessário um passo que a criança ainda não conseguiu: o de segurar, a hora de segurar e soltar depois … (calma, está chegando!)

3a. fase – A criança consegue avisar que QUER FAZER
Depois de algum tempo, individual para cada criança, começa a ocorrer uma evolução. Nessa fase, as crianças começam a ter o controle e conseguem segurar as fezes e a urina.

Você já pensou por que razão, quando temos vontade de urinar ou evacuar, nós dizemos que “vamos ao banheiro”?

Acompanhem os passos desse processo:
• Sentir vontade de urinar ou evacuar;
• Reter (segurar) fezes/urina;
• Ir ao banheiro;
• Tirar a roupa do caminho (calça ou vestido, cueca ou calcinha, fraldas ainda);
• Sentar;
• Liberar os esfíncteres (relaxar a musculatura);
• Esvaziar o reto e/ou a bexiga;
• Fazer a higiene local adequada (ser limpo ou se limpar);
• Vestir a roupa novamente;
• Lavar as mãos;
• Acabou.

Fazer é fácil, quando não temos que pensar em tudo isso, ou seja, quando já é nosso hábito. Se a criança estiver aprendendo, sendo “treinada” e os passos seguidos não forem nessa ordem exata… a coisa pode ser desastrosa, não é mesmo?

Assim, é aí, nesse momento, que devemos pensar em iniciar o treinamento. Isso deve ocorrer quando a criança começa a segurar fezes e urina e olha para os pais e professores com cara de “E agora o que é que eu faço?”.

Nesse momento, toda atenção dever ser dada ao treinamento, atendendo imediatamente à necessidade da criança, nunca criticando e nem punindo o insucesso e sempre se colocando ao lado dela, tanto apoiando e estimulando, quando não der certo, como elogiando e “vibrando” com os bons resultados. Chave do sucesso!

Algumas dicas:

– NUNCA colocar a criança em cima do assento do vaso sanitário sem uma proteção, pois devido ao tamanho do buraco – projetado para adultos – ela poderá cair ou se sentir insegura. Para resolver o problema, basta acoplar um redutor de assento – ou utilizar um troninho ao invés do vaso sanitário.

– Leve a criança ao banheiro a cada duas horas para fazer “xixi”. No caso do “cocô”, respeite os horários de costume. Espere sempre ao lado dela, sem apressá-la, até que finalize a tarefa. Limpe-a e vista a cueca ou calcinha.

– Cante parabéns e festeje as primeiras vezes do “xixi” e “cocô” no vaso ou troninho. Toda criança adora!

– Continue levando a criança para fazer xixi e cocô, mas deixe-a sozinha no banheiro. Peça que chame quando tiver terminado. Chama-se independência!

– Recaídas são esperadas. Não dê bronca. Seja motivadora. Em vez disso, diga coisas como: “Você fez xixi na calça, mas não tem problema… Tenho certeza de que da próxima vez conseguirá chegar a tempo ao banheiro”.

– Com o passar do tempo deixe a decisão de ir ao banheiro por conta da criança, mas lhe pergunte se não está com vontade pelo menos umas quatro vezes ao dia e, logo mais, não pergunte mais nada …

– Quem deve limpar principalmente as meninas são os pais e/ou cuidadores, mas mostre para elas como se faz, para que já se familiarizem e mais tarde o façam corretamente. Nunca se esqueça de apertar a descarga e lavar as mãos (as suas e as da criança) depois de usar o banheiro. Esses exemplos serão preciosos para a higiene da criança no futuro. Também ensine o menino como se limpar, mas a menina, sempre de frente para trás.

– Compre cuecas e calcinhas coloridas e com personagens para incentivá-los. Permita que a criança participe da escolha de vez em quando. Tudo é válido para mantê-los estimulados.

– Uma dica para o desfralde noturno que tanto nos deixa de “cabelos em pé”: no início, haja colchão e muitas mamães não gostam de plásticos, pois fazem barulho e aquecem. Use o tapete higiênico para cães, vulgarmente chamado de fraldas de cachorro …. (garanto ser eficaz e nada nojento). Você compra em qualquer Pet Shop. Imagine uma fralda de bebê aberta, sem elástico, em formato retangular e grande. É isso! Absorve todo o xixi, não deixa vazar e transforma aquilo tudo em gel.

É isso! Um desfralde bacana vai depender de como os pais encaram essa produção “artística”. Usem e abusem da criatividade, dêem risadas. E sucesso!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − 1 =