Gripe e resfriado – Qual é a diferença?

gripe_doglikehorse Muitos são os mitos que permeiam o conhecimento das pessoas sobre a diferença entre a gripe e o resfriado.

Alguns dizem que é o tempo frio, outros que a falta de vitamina C, e ainda há aqueles que atribuem as causas às correntes de ar, pés descalços e sair de casa com os cabelos molhados. Mas afinal de contas, o que pode causar estas duas doenças?

Antes de mais nada, é importante diferenciarmos a gripe e o resfriado. São doenças até certo ponto semelhantes por serem causadas por vírus, porém, diferentes entre si.

O resfriado é causado por um ou mais tipos de vírus chamados de rinovírus, presentes no ar, nas gotículas de espirro ou saliva, transmissíveis, mas que levam a sintomas mais leves que os da gripe. Os sintomas do resfriado, bastante comuns, são variados e podem acometer uma pessoa por diversas vezes: tosse (nem sempre com catarro), febre baixa (e muitas vezes nem sempre existente), mal-estar, nariz escorrendo e/ou entupido e dor de cabeça. São sintomas desconfortáveis, porém, não são incapacitantes para o trabalho e para as atividades diárias.

Já a gripe, causada pelo vírus influenza, e também bastante mutável, tem sintomas muito mais intensos e graves que o resfriado. Em alguns casos, em pessoas mais susceptíveis e com baixa imunidade, pode até levar á morte. Os sintomas são incapacitantes e quando escutamos falar que a pessoa “ficou de cama”. Ocorrem febre alta, forte dor de cabeça e nos olhos, dor de garganta, mal-estar geral e muita dor no corpo, além de tosse com catarro e uma possibilidade grande de outras complicações como pneumonia e infecções graves do sistema respiratório.

A gripe já levou à morte de muitas pessoas em vários lugares do mundo e alguns episódios de pandemias já foram registrados, como os da gripe espanhola, da gripe asiática e da gripe de Honk Kong. No Brasil, há cerca de 04 anos, tivemos um forte esquema de controle devido a inúmeros casos de gripe influenza, essa que levou à morte dezenas de pessoas na época. Perceba que, nessa situação, a prioridade da vacina dada na época foi para as pessoas que tinham uma menor imunidade, como idosos, crianças, portadores de algumas doenças e gestantes.

A vacina contra a gripe é altamente eficaz, porém, vale ressaltar que ela é produzida, anualmente, devido à mutação constante do vírus. O fato da pessoa ter sido vacinada, não quer dizer que necessariamente ela estará imune a qualquer tipo de vírus da gripe, mas somente àqueles constantes da fórmula atual.

Não há uma cura ou um tratamento específico para a gripe e o resfriado, mas algumas medidas podem ser tomadas no sentido de se evitar uma propagação e contágio, em especial durante o inverno, época em que há uma maior concentração de pessoas em pequenos espaços e menor circulação de ar.
Cabe ressaltar que o uso de vitamina C não tem uma eficácia clínica comprovada segundo os maiores estudos científicos publicados e a utilização de antigripais não interfere na causa da doença, portanto, não cura, mas alivia os sintomas associados, como febre, dores no corpo e congestionamento nasal.

O que fazer então no caso de gripe ou resfriado?

- Afastar-se e cobrir a boca ou o nariz com um lenço todas as vezes em que for espirrar ou tossir, evitando assim a disseminação destas gotículas para o ar e contaminação de outras pessoas;

- Lavar sempre as mãos e utilizar-se da higienização com álcool. Quando não houver próximos ou disponíveis, usar a pia, com água e sabonete;

- Tomar bastante líquido;

- Ter uma alimentação saudável, com frutas, legumes e verduras, a fim de favorecer o aumento das defesas do organismo;

- Na gripe, fazer repouso e procurar assistência médica, pois várias complicações podem acontecer, e por isso, em alguns casos, se torna necessário o tratamento com medicações específicas;

- Evitar contato com outras pessoas. Lembre-se: o vírus da gripe é altamente contagioso e uma só pessoa doente pode espalhar a doença para muitas outras!

Voltar