tmoA medula óssea é um tecido do nosso corpo de consistência líquida e gelatinosa, presente na cavidade dos ossos. É diferente da medula espinhal, que é formada por tecido nervoso presente na coluna vertebral.

A medula óssea tem a finalidade de produção das células de defesa do nosso corpo (leucócitos), das células necessárias á coagulação do sangue (plaquetas) e das hemácias, que são aquelas que fazem o transporte do oxigênio para o pulmão. Quando há uma deficiência na medula óssea, existe a diminuição brusca destes componentes do sangue, e que é identificada através do exame de sangue.

Existem vários tipos de doenças da medula, dentre as mais comuns a leucemia. Nesta doença, o indivíduo não consegue produzir de maneira necessária as células para a defesa de seu organismo.

Em muitos casos, o tratamento mais comum é o transplante de medula óssea (TMO). Ele pode ser usado como um tratamento complementar na recuperação do paciente, e também fundamental.

Na TMO, o paciente (receptor) recebe por veia, a medula óssea extraída de um outro indivíduo (doador), que deve ser compatível com ele. Em 25% dos casos, a compatibilidade ocorre através de pessoas da mesma família, como pais e irmãos. Caso não haja compatibilidade, aí então é necessária a busca de um doador externo, e a recorrência ao REDEME, que é uma rede nacional de cadastro de doadores de medula óssea.

Para ser um doador, o procedimento é simples: basta cadastrar-se, dirigir-se a algum Hemocentro mais próximo de sua residência, e então fazer a coleta de sangue, que é por onde são analisadas as características de seu sangue e a compatibilidade por algum receptor, que também estará cadastrado em um registro nacional de receptores de medula óssea (REREME).

Quando é identificado um receptor compatível com sua medula óssea, você é acionado e deve dirigir-se ao Hemocentro rapidamente, para a realização do transplante de medula. Por isso, é fundamental a constante atualização de seus dados cadastrais, para que haja a sua localização imediata.

A doação da medula óssea é realizada em um ambiente hospitalar, dentro do centro cirúrgico. O doador recebe anestesia e o procedimento dura em torno de 02 horas. Após o procedimento o doador permanece internado por cerca de 24horas e recebendo analgésicos caso seja necessário. A punção da medula no doador é feita na parte de trás do quadril, próximo ás nádegas, e a dor após o procedimento é absolutamente suportável, e se assemelha á dor causada por uma injeção de benzectacil ou um tombo de costas.

A doação da medula, em alguns casos, também pode ocorrer por meio da retirada da mesma através da veia, chamado de aférese. Porém, qual o melhor procedimento será avaliado pela equipe médica e de acordo com as necessidades do receptor. Após a doação, a produção da medula óssea do doador é reestabelecida em poucas semanas, e sem haver prejuízos á sua saúde.

Para o transplante da medula óssea no receptor, o mesmo também a recebe no hospital, em uma unidade apropriada, e recebe uma série de cuidados antes, durante e após o transplante, permanecendo internado por até 01-02 meses após o procedimento.

Para ser um doador é necessário estar em perfeitas condições de saúde, e ter entre 18 e 54 anos de idade.

Existem alguns sites que disponibilizam informações sobre o transplante e a doação de medula, e o que é necessário para se cadastrar na rede nacional:

www2.inca.gov.br
www.ameo.org.br
www.abrale.org.br
www.sbtmo.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − 5 =