imagem

Uma das situações mais comuns na ortopedia pediátrica é a dor na perna das crianças entre 03 e 08 anos de idade. Não é uma situação grave, porém, bastante desconfortante e dolorosa para as crianças, e um motivo de grande aflição e preocupação aos pais.

A sinovite é a inflamação viral da sinóvia é uma espécie de “capa” que reveste as articulações. Esta inflamação costuma ser, além de bastante dolorida, limitante com relação aos movimentos, e por este motivo, as crianças com este diagnóstico chegam quase sempre com dor e mancando, com muita dificuldade em apoiar os pés no chão.

O interessante da sinovite transitória em crianças é a maneira pela qual a mesma pode ser instalada. E a história, para quem tem filhos pequenos, é quase sempre a mesma: o filho ter possuído há alguns dias ou semanas que antecederam a dor, uma infecção respiratória superior ou ter possuído um quadro viral ou alérgico, sem maior gravidade, com febre baixa e às vezes coriza. Um pouco depois, e de maneira aguda, começam as queixas de dor na perna e dificuldade em se locomover.

A dor na perna ocorre com maior frequência na região do quadril, mas também pode estender-se para as coxas e joelho. A criança também pode apresentar dificuldade em dobrar e perna e realizar alguns movimentos, como levantar e abaixar, rotação e apoio no chão.

O médico deverá fazer, além de uma coleta da história dos sintomas e da saúde da criança, o exame clínico e pedir alguns exames de imagem simples, como uma radiografia, a fim de se excluir doenças mais graves, como artrite séptica e algumas doenças reumáticas.

Embora seja um quadro curto e transitório, que dura aproximadamente uma semana, não altera o estado geral da criança, que tem apenas a queixa específica e localizada quanto à dor na perna e dificuldade de locomoção, mas não possui febre, prostração e mal-estar geral, sintomas estes muito importantes e decisivos para a exclusão de um diagnóstico mais grave.

Neste caso, além de febre e piora do quadro, a criança não responde ao tratamento comumente utilizado com sucesso para a sinovite transitória, que é a utilização de anti-inflamatórios. Daí, a necessidade de sempre se consultar com um médico, pois o mesmo pode, além dos exames de imagem, solicitar também exames de sangue, para se investigar uma possível infecção ativa.

Na sinovite transitória, a criança não apresenta sequelas, e em geral, as dores mais fortes são nos primeiros dois ou até três dias, mas com melhora gradual e em até uma semana. Por ser um quadro transitório, a inflamação também pode curar-se espontaneamente.

As recomendações médicas na sinovite transitória são o repouso relativo, e em especial por uma questão de conforto e de se poupar mais a dor da criança. Evitar que a criança pratique, durante este quadro, atividades estimulantes de movimento ou muito intensas, mantendo-a no domicilio, também é indicado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × um =