images2A falta do desejo sexual ou falta/diminuição da libido, é um problema que afeta mais mulheres do que se imagina, muitas ficam angustiadas por não conseguirem satisfazer o parceiro e a si próprias e relacionam a perda do desejo com o desgaste do relacionamento, e na maioria das vezes o X da questão é outro.

As mulheres não se dão conta, ou muitas vezes não sabem, que problemas físicos e psicológicos também podem afetar a libido e gerar o comportamento de virar para o lado e dormir na hora da intimidade, ou criar as famosas desculpas como dores de cabeça.

Alguns detalhes como auto-estima elevada, mente relaxada e conhecimento do próprio corpo podem fazer toda a diferença. Nós mulheres de uma forma geral somos mestras em levar problemas e tensões diarias para cama. Não é mesmo?

Se a academia, o supermercado, almoço com as amigas e reuniões de trabalho sempre têm um lugarzinho na agenda, por que não aproveitar e incluir o sexo na lista dos afazeres do dia a dia?

Vários são os especialistas em sexualidade, que atribuem a primeira causa da falta de apetite sexual, o fato de não pensar em sexo; não tê-lo como uma das prioridades dentro do relacionamento.

O cansaço cotidiano pelo excesso de compromissos deixa as mulheres fadigadas, sem energia e sem tempo para estímulos sexuais. O desejo tem de ser cultivado ao longo do dia, pode ser com troca de mensagens, telefonemas, enfim usar a criatividade para “esquentar o clima” durante o dia e usufruir a noite. Que tal?

Quanto menos planejar e fazer sexo, menos espaço ele terá, porque mais as pessoas (homens e mulheres) buscarão satisfazer outras necessidades e prazeres, como trabalhar, estudar, ganhar dinheiro, viajar, jogar, malhar, comer, conversar, ir a festas, beber com amigos. Só que o dia tem apenas 24 horas, e o sexo faz bem e deve estar incluso nessas 24 horas.

A dica, para quem ainda não perdeu seu apetite sexual por completo, é cuidar da saúde (hormonal, principalmente), gostar de sexo (ou descobrir um jeito de gostar), buscar soluções quando há baixa auto-estima, dificuldades no relacionamento e falta de prazer, conversando com o parceiro ou se for o caso buscando uma ajuda profissional.

O hipotiroidismo, o uso constante de substâncias como antidepressivos, inibidores de apetite ou mesmo o alcoolismo e o tabagismo afetam o apetite sexual. Por este motivo não deixe de consultar um médico de sua confiança, não tenha vergonha de expor seu problema e pedir ajuda.

Na maioria das vezes, a origem do desinteresse é psicológica. A insatisfação com a vida pessoal, o estresse por causa do trabalho, contas para pagar, tensão, preocupação com os filhos e até mesmo medo do desempenho sexual e o comportamento do parceiro podem afetar o desejo feminino.

Ler contos e assistir a filmes eróticos, escutar música romântica, reservar um tempo para jantar são passatempos que instigam a criatividade e não permitem que a passagem dos anos, o desgaste do relacionamento, a perda da paixão e do encanto e a mesmice do sexo tomem conta da vida a dois. Fica a dica!

Quando um dos membros do casal tem o desejo, mas o outro não, o melhor é buscar ajuda, se a intenção é salvar o relacionamento. Dependendo da origem do problema, pode ser tratado por um médico, terapeuta ou os dois.

É preciso olhar para dentro de si mesmo e fazer muitas perguntas: como me relaciono com meu parceiro? Como é o meu dia? Tenho tempo ou me dou um tempo para planejar o sexo? Que características individuais ou disfunções físicas, hábitos e vícios poderiam estar interferindo em meu apetite sexual? Há espaço para fantasias em meu dia a dia? Essas são questões essenciais que devemos ficar atentas.

Como recuperar o desejo sexual?

O primeiro passo é conversar com seu médico de confiança, para checar se a falta de desejo sexual está associada somente a preocupações externas ou se existe um problema orgânico envolvido que poderá ser solucionado com tratamento medicamentoso por exemplo (reposição hormonal é um deles).

Quando seu organismo está saudável e suas emoções equilibradas, você se sente mais disposta e o desejo sexual reaparece. Outra forma de resolver o problema é tentar estabelecer um diálogo aberto com seu companheiro, com bastante sinceridade. É importante que a mulher “abra o jogo” com seu parceiro e diga claramente como gosta de fazer sexo, o que não está fluindo bem, o que está sentindo falta …. enfim, nada como você mesma para saber o que lhe dá prazer e se você não falar, possa ser que ele não tenha uma “bola de cristal” como achávamos que tinha no início do namoro.

Tudo muda e deve ser para melhor, pois a intimidade cresce e a sintonia entre o casal fica maior.
Tente também deixar o estresse e as preocupações de lado por alguns momentos e se permita sentir prazer.

Uma outra dica é: sentir-se sexy! É um truque simples e facilmente incorporado à rotina: investir em uma lingerie diferente, uma fantasia, acender velas e usar óleos aromáticos podem reacender a sexualidade feminina. Hoje o universo que existe para “esquentar” qualquer relacionamento é gigante e você pode adquirir produtos de forma privada e discreta. Use e abuse da criatividade … apimente a relação!!!

O mais importante de tudo isso é melhorar a libido porque você mesma sente essa necessidade e não por uma eventual cobrança externa.Tudo o que você faz deve ser por você e não pelos outros, pela sociedade ou pelo mundo que está à sua volta. Vá a luta, sinta prazer!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × três =