Cuidado: o “tibum” pode arder

fepapa1O verão chegou e a criançada entrou em férias, uma delícia. É hora dos mergulhos e brincadeiras na piscina.

Mas existem vilões nessa brincadeira. São eles: o cloro, o cobre e outros vários produtos químicos necessários para deixar a piscina própria para a tão sonhada brincadeira.

Em casa, os efeitos indesejados causados por esses produtos químicos nas crianças são percebidos pelos pais: pele e cabelos ficam ressecados, irritação nos olhos e no nariz, crises de coceira e espirros são frequentes.

Além da vermelhidão, os olhos estão sujeitos à conjuntivite!

Por este motivo hoje falaremos das prevenções que devemos ter com os olhos da criançada no verão, visto que a água da piscina é um dos lugares mais propícios para o contágio de algumas infecções oculares.

Depois de muitas horas de diversão na piscina ou na praia, a pele das mãos e dos pés, principalmente, enruga, o queixo bate e os olhos ardem e ficam congestionados.

Essas irritações na visão costumam desaparecer sozinhas, mas merecem atenção porque podem estar também associadas a infecções, alergias e até machucados que, se não tratados, podem evoluir para um caso mais grave.

Devemos lembrar que as crianças adoram nadar com os olhos abertos embaixo d’água e dificilmente usam óculos de natação. O resultado de tal façanha são olhos extremamente vermelhos e irritados.

primeira prevenção já começamos a tratar agora: usar os óculos de natação pode ser uma ótima ideia para as crianças que ficam bastante tempo na piscina mergulhando – além de evitar o contato ocular com os componentes químicos da água da piscina, previne nossas crianças de adquirirem uma conjuntivite por bactéria ou vírus que estejam na água.

 

A exposição solar sem proteção também é uma preocupação para a saúde dos olhos das crianças. Vários são os oftalmologistas que recomendam o uso de óculos escuros que ofereçam proteção contra os raios ultravioleta do sol – UVA e UVB. Os olhos devem ser protegidos desde a infância, uma vez que os efeitos da radiação ultravioleta são cumulativos.

segunda prevenção é providenciar um bom par de óculos de sol para seu filho, pois não existe uma idade mínima para começar a usá-los, mas a partir dos dois anos não dá para “empurrar mais com a barriga”, é hora de colocar as crianças equipadas. Os óculos devem ter hastes largas para dificultar a passagem dos raios solares.

Os óculos de sol também protegerão da ceratite, que são arranhaduras nas córneas causadas não só pelo sol, mas pela exposição ao vento. Atenção!

Quanto mais as crianças se expõem ao sol, mais necessários são os óculos. Além da piscina ou da praia estamos falando também do uso de óculos de sol em parques ou até mesmo no jardim de casa.

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia recomenda alguns cuidados na hora de comprar os óculos escuros:

 

terceira prevenção é referente ao mar. Quando os baixinhos forem nadar, orientem para que fechem os olhos, pois a areia pode arranhar e machucar as córneas, o que também pode ser grave!

quarta prevenção é o cuidado ao passar o protetor solar, pois a maioria deles tem o PH diferente daquele apresentado pelos olhos das crianças e se o produto, por acaso, entrar em contato, pode ocorrer uma conjuntivite tóxica por mudança de PH. A criança transpira e o suor pode escorrer para dentro dos olhos. Também os baixinhos têm o hábito de esfregar os olhos e aí tudo pode se complicar. Para que não haja problemas evite passar o protetor solar perto dos olhos e na testa e prefira usar um boné ou chapéu, evitando assim que o suor escorra e entre nos olhos.

Caso o produto porventura entre nos olhos, lave-os imediatamente com água filtrada em grande quantidade. Se a irritação dos olhos permanecer, leve o pequeno ao médico.

Agora uma proteção: depois de tomar banho de mar, de sol, ou de piscina, aplique um lubrificante ocular nos olhos das crianças. O produto protege os olhos e ajuda aliviar os efeitos do sol, do mar, da areia, do cloro e outros agentes.

NÃO use qualquer outro colírio sem orientação médica!

ORIENTAÇÕES

  • Após banho de piscina ou mar, se perceber que os olhos estão irritados, faça compressas com água filtrada e gelada;
  • Pingue um colírio lubrificante;
  • Se os olhos apresentarem secreção de qualquer coloração (amarelada, esbranquiçada), leve a criança ao médico – pode ser uma infecção, conjuntivite e se necessitar o uso de um colírio com antibiótico, o mesmo somente poderá ser PRESCRITO pelo MÉDICO!
  • Se você for para qualquer local distante, onde seja difícil encontrar médico e/ou farmácia, consulte o pediatra de seu filho e vá prevenida para, caso seja necessário, conseguir qualquer medicamento. O pediatra conhecendo seu filho, às vezes, pode diagnosticar através de sua discrição por telefone, e medicar o pequeno com o remédio previamente prescrito por ele.

 

Criança feliz, é criança sem dor ou ardor. Logo, atenção aos olhos dos pimpolhos neste verão!

Voltar