ds00306_im04512_mcdc7_endometrialcancerthu_jpgEstamos no mês de outubro, onde muito se fala do câncer de mama. O auto exame e o check up indicado pelo médico especialista, pode ajudar na detecção precoce da doença.

Outro tipo de câncer feminino é o de endométrio (tecido que reveste a parede do útero responsável por abrigar o feto durante a gravidez ou é descamar na forma de menstruação), cujo principal fator de risco é o excesso do hormônio estrogênio circulante no sangue (hiperestrogenismo). Outros fatores também podem estar associados: obesidade, diabetes mellitus, uso indevido da terapia de reposição hormonal, primeira menstruação em idade muito precoce ou menopausa tardia e mulheres que nunca ficaram grávidas. Há vários tipos de câncer de endométrio, alguns mais agressivos que outros.

A prevenção para este tipo de câncer deve ser realizada por meio de visitas periódicas ao especialista, dosagem de CA-125 no sangue e exames de imagem também podem auxiliar no diagnóstico precoce.

Os sintomas que a mulher com câncer de endométrio sente no estágio inicial, são muito marcantes, ou seja, fácil de se suspeitar que algo não está bem.

Toda mulher na menopausa que apresentar sangramento vaginal, deverá investigar rapidamente a causa. Em mulheres que ainda não chegaram à menopausa também podem apresentar sangramentos disfuncionais, ou seja, fora da época de menstrual e sendo assim a consulta com um especialista se faz necessária para esclarecer o porque do sangramento. Pode também aparecer corrimento vaginal, dor na região pélvica (parte baixa da barriga) ou acentuada perda de peso.

O tratamento do câncer do endométrio na maioria das vezes é cirúrgico, sendo necessário a remoção do útero, ovários, trompas e por vezes retira-se também alguns linfonodos (“ínguas”) na região próxima ao útero.

No final do tratamento é comum a mulher ter medo que o câncer retorne ou até mesmo de metástase (câncer em outro lugar derivado do câncer inicial). É muito importante comparecer à todas as consultas médicas solicitadas e fazer os exames necessários pedidos pelo especialista.

O que ajuda muito a ultrapassar a fase da doença de forma menos sofrida emocionalmente, é o apoio dado por familiares, pelo companheiro, amigos e também conversando com ex-pacientes que já estão curadas. Você já fez sua visita ao especialista este ano?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + quatro =